Your Garden will not green-grow
-if you do not water it properly-

Friday, November 15, 2013

How to help your child to like healthy foods (English - Portuguese)

kidseatveggies


Como ajudar seu filho a gostar de alimentos saudáveis

Posted: 15 Nov 2013 07:57 AM PST

kidseatveggies
 
Quem tem crianças pequenas sabe como às vezes é ingrata a luta para que se alimente de forma saudável — crianças não se preocupam com "sua saúde", elas comem o que gostam.
 
Mas não é só isto que a motiva a levar um alimento à boca, segundo uma pesquisa recente. Além dos sabores doce e salgado, a apresentação repetitiva, o tamanho das porções e o comportamento dos pais também afetam suas escolhas alimentares.
     
Em um painel do Encontro Anual e Exposição de Alimentos de 2013 do Instituto de Tecnólogos de Alimentos americano, o comportamento à mesa dos pimpolhos foi dissecado. Sem surpresa alguma, as crianças preferem doces como cookies, chocolate, frutas e sucos, e também alimentos salgados que os fazem se sentir cheios, como batatas-fritas e pizza.
 
Mas o ambiente, o grupo de crianças em que eles estão inseridos, a família e o contato com um menu mais variado também afetam as escolhas dos pequenos. Para que deem preferência a alimentos saudáveis, as crianças precisam ser ensinadas a gostar deles.
 
Apresentar repetidas vezes o mesmo alimento para que a criança fique familiarizada com ele pode ajudar. Quando ela está na fase em que se torna mais exigente quanto à comida, entre dois e seis anos, apresentar pequenas porções ou misturar alimentos saudáveis ao que ela já gosta pode auxiliar a criar o hábito de comer bem.
 
E há também o comportamento dos adultos — as crianças os observam o tempo todo, e são mais propensas a experimentar e aceitar novos alimentos quando os adultos manifestam de forma entusiástica sua preferência a eles.
 
Entretanto, deve-se evitar o ato de pressionar as crianças a comer. E tentar comprá-las usando sobremesas pode ter o efeito contrário, fazendo com que detestem as verduras ainda mais. Envolvê-las na preparação do alimento, por outro lado, dá a elas uma experiência positiva que irá ajudá-las a aceitar alimentos mais saudáveis. [MedicalXpress]

4 alimentos extremamente saudáveis que você provavelmente nunca experimentou

Posted: 15 Nov 2013 07:52 AM PST

Sementes de chia
 
4
 
Ricas em fibras (em torno de 10 g a cada 30 g), em proteínas e em ômega-3, as sementes de chia também podem ajudar a diminuir os níveis de triglicerídeos e aumentar os de HDL (o "colesterol bom") no organismo.
 
"As sementes também são muito interessantes porque podem gelatinizar praticamente qualquer líquido", explica a autora. Misture 1/2 copo de sementes com 2 de leite, acrescente açúcar e deixe na geladeira por 4h e você terá uma sobremesa saudável.
 
Amaranto
 
3
 
Grãos de amaranto são ricos em vitamina B6 e ácido fólico e são um bom substituto para arroz, macarrão e batatas. Também são uma excelente fonte de proteínas.
 
Dulse
2
Essa alga vermelha é rica em iodo, potássio e antioxidantes.
 
Vinagre de maçã orgânico cru
 
1
 
Mais difícil de encontrar do que sua versão pasteurizada, esse ingrediente é rico em enzimas – é importante, contudo, tomar mais cuidado com a validade, por conta da falta de pasteurização.
 

Proteínas vegetais vs Proteínas animais

Posted: 15 Nov 2013 07:30 AM PST

É indiscutível que as proteínas de origem animal são proteínas de elevado valor biológico, ou seja, são constituídas por todos os aminoácidos essenciais e encontram-se numa proporção que proporciona uma boa absorção (sobretudo ovo e peixe). Têm ferro de elevada biodisponibilidade (grupo heme). Excelente aporte de vitamina B12.

No entanto têm alguns inconvenientes:

  • elevadíssimo impacto ambiental e económico;
  • a carne vermelha contém muito ferro heme, que está associado ao aumento da formação das nitrosaminas (substancias cancerígenas);
  • alto conteúdo em purinas (sobretudo a carne vermelha), que se metaboliza no organismo em ácido úrico;
  • elevado conteúdo de gordura saturada e colesterol;
  • ausência de fibras e vitaminas;
  • a carne (excepto a biológica) tem um alto conteúdo em xenobióticos (toxinas muito prejudiciais ao organismo);
  • estudos recentes provam:
  1. relação estreita entre uma alimentação rica em proteínas animais e a obesidade nos homens; carne vermelha e Diabetes tipo II
  2. elevada associação entre o consumo de carne vermelha e enchidos e elevado risco de cancro colorretal. Associação de menor intensidade ao cancro da próstata, pulmão e estômago. 

Ao contrário, as proteínas vegetais apresentam as seguintes vantagens:
  • baixo aporte de gorduras saturadas e fonte de gorduras polinsaturadas (com ácidos gordos essenciais), nenhum colesterol e naturalmente baixo valor calórico;
  • elevado conteúdo em fibra, antioxidantes e fotoquímicos;
  • menos acidificantes para o nosso sangue, pela presença de minerais;
  • contém menos purinas e eliminam-se melhor (menor acumulação de ácido úrico), sobrecarregando menos o fígado e o rim;
  • ainda, as proteínas vegetais apresentam um baixo índice glicémico, que evita os picos de fome, e um elevado poder de saciedade;
  • e finalmente mais económicas!


As proteínas vegetais são consideradas de menor valor biológico, por isso deverão ser conjugadas de forma correta para obtermos todos os aminoácidos essenciais.

The Dietitian's Guide to Vegetarian Diets. An Aspen Publication. 1996

Eis alguns exemplos:
Leguminosas (pobres em aminoácidos enxofrados: metionina e cisteína) 
+ Cereais integrais (arroz, massa, millet, quinoa, bulgur, espelta…), frutos secos e sementes (pobres em lisina)

Além disso, existem excelentes fontes vegetais proteicas como as algas marinhas (espirulina e clorela), a soja e os seus derivados (tofu e tempeh).
 
 por Lea
 

No comments:

Post a Comment

Your Garden will not green-grow
-if you do not water it properly-